Definição Saliencia fazer disco difuso

Definição Saliencia fazer disco difuso

Definição Saliencia fazer disco difuso

Mohamed Ragab Nouh, Departamento de Radiologia e Imagem das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Alexandria, Alexandria 21599, Egito

Mohamed Ragab Nouh, Departamento de Radiologia, Al-Razi Hospital, Sulibikhate 13001, Kuwait

Contribuições Autor: Nouh MR selecionado o ASSUNTO, Uma Revisão da literatura, escreveu o jornal, selecionou OS Números e editado Toda a obra.

Correspondência para: Mohamed Ragab Nouh, MD, Radiologia Especialista fazer Departamento de Radiologia, Al-Razi Hospital, Jamal Abdulnaser rua, Sulibikhate 13001, Kuait. moc.oohay@37bagarm

Telefone: + 965-24825508 Fax: + 965-24825909

Abstrato

Palavras-chave: Hardware, Imaging, Instrumentação, Fusão Espinhal, Spine

INTRODUÇÃO

Radiologistas São Obrigados uma Estar familiarizado com a Instrumentação da Coluna vertebral em OSU Comum, Bem Como aqueles Usados ​​em SEU / SUA Região Pará PROMOVER uma Comunicação com o médico assistente e sensibilização de potenciais Complicações de such Procedimentos. This Avaliação IRA destacar Estes Procedimentos e como Técnicas Comuns, Abordagens cirúrgicas, Recursos de imagem Sem pós-operatório, Bem Como Complicações Comuns Associados com enguias.

Instabilidade da Coluna: Visão Geral básica

A UMA E vertebral Coluna Estrutura Complexa that transmite cargas à partir de da PARTE Superior do ATRAVES Corpo da Bacia Pará OS: Membros Inferiores [3, 7]. Um segmento de Movimento vertebral E um menor Unidade funcional abordar um Biomecânica da Coluna vertebral. E constituida de Duas vértebras adjacentes, um disco intervertebral, VÁRIOS ligamentos e Articulações apofisárias. Harmonic Interacção destes Elementos, Bem Como em torno Resultados musculatura da Coluna vertebral em Estabilidade segmento de Movimento vertebral Durante como Forças Aplicadas de atividades diarias [10].

Teoria Coluna vertebral Deniss Três

INSTRUMENTAÇÃO ESPINAL: Dispositivos e Abordagens cirúrgicas

Listagem Diferentes Dispositivos de Instrumentação da Coluna vertebral e Procedimentos Surgical ESTÁ Além do escopo Desta Revisão. No entanto, Uma Visão Geral Sera fornecida here.

Instrumentação da Coluna vertebral E comumente realizada when a Restauração da Estabilidade da Coluna vertebral, uma Rectificação da deformidade, espinal-motion Restauração altura do segmento e Alívio da dor São desejados Como na Gestão de escoliose e Outras deformidades da Coluna vertebral, Doença degenerativa da Coluna vertebral, traumatismo, instabilidade, e neoplasia Infecção [13 – 16]. Uma Combinação de Ambos biológico (enxerto ósseo) e (Instrumentos prostéticos) materiais São normalmente utilizados Para Formar Uma Construção that visto Manter a Estabilidade da Coluna vertebral, em Uma Região Instável da Coluna [17].

Posterior / Fusão espinhal posterolateral e Instrumentação

Posterior Reconstrução Coluna vertebral foi realizada Ao Longo de Décadas utilizando Diferentes Combinações de Placas OU pressas com Sistemas de Parafuso gancho / fio / pedículo parágrafo Formar Dispositivos construto espinhais posteriores parágrafo Diferentes níveis da Coluna vertebral [3, 5, 7].

Uma Abordagem posterior E geralmente USADO QUANDO uma descompressão posterior E necessaria em adição à nossa fusão espinal Como na Doença degenerativa. E Mais Comum em Regiões e lombar dorsal (Por Exemplo, posterior inter-lombar Fusão Corpo UO PILF), Uma Vez Que É Mais Fácil e adequadamente Visualiza Elementos neurais. ISSO evita o alto-Risco da Abordagem anterior nestas Regiões, enquanto E Bastante evitada na Região do colo do útero Para a Manipulação cabo ARRISCA um ESSE Nível [3, 4].

Ântero-posterior (A) e radiografias Laterais Digitais (B) dos Espinhos lombossacrais com artrodese lombar posterior Exibindo LV3 ATRAVES LV5 níveis laminectomia fichas COM Finas posteriormente localizados ósseas (setas) em vista antero-posterior São that .

QUANDO há Uma Perda sepultura da altura do espaço do disco e, Quando a Inserção de hum Espaçador intercorporal posterior PODE causar comprometimento Neurológico, trans laminar de Fusão inter-corporal com Parafusos corticais E Utilizado Como hum Método simples de posterior Fixação. O material de enxerto de osso de E colocado lateralmente (entre OS Processos transversais) em vez fazer that anteriormente (Corpos Entre OS vertebrais), parágrafo a Fusão espinal póstero [4, 7, 8, 18].

Rods São comumente Usados ​​POR Muito tempo segmento fixações da Coluna vertebral Por Exemplo em escoliose, Uma Vez Que PODEM Ser individualmente cortados e moldados Como Necessário Para facilitar a Manutenção do Alinhamento sagital, enquanto como Placas São favorecidos parágrafo fixações segmento Curto exemplo em etiologias traumáticas e degenerativas [4, 6, 7, 18].

Instrumentação anterior e Fusão

Procedimentos de Fusão Anteriores São indicados parágrafo dor discogênica Onde a remoção do material de fazer disco degenerativa e substituição Para uma altura do disco de e realizada juntamente com anterior Fusão óssea Pará um Estabilidade Imediata. A Presença de Doença articular faceta contra-indica ESSES Procedimentos [4, 7].

Instrumentação por vía anterior PODE utilizar Sistemas tanto pressa de Parafuso OU Uma placa de Parafuso Para Formar Uma Construção de Coluna vertebral. Uma Abordagem anterior E geralmente preferido na Coluna cervical (vulgarmente Conhecido como anterior discectomia cervical e Fusão OU ACDF) Por Causa faz risco de Manipulação de cabo Associado com Uma Abordagem posterior, a nivel este. Além Disso, Implantes utilizados posteriormente regions NAS torácica e lombar São Muito Grandes e Comunicando Forças de Tração MAIORES Que Não São Necessários na menor cervical Coluna [4, 7].

Pelo Contrário, nos níveis torácicos e lombares (vulgarmente Conhecido como anterior Fusão Organismo inter-lombar UO AILF) E Menos indicada devido a morbidade significativa, Como o Procedimento ENVOLVE a atravessar como cavidades torácica e abdominal, e Recuperação tardia ESTÁ Associada com ESTA Abordagem [ 4, 7].

e Implantes enxertos Inter-CORPO

Estes São hum grupo de materiais that possuem Resistência à compressão e Visam principalmente parágrafo Preservar o espaço do disco e / ou alturas de Movimento da Coluna vertebral em Diversas Indicações, Tais Como a Doença degenerativa dos discos, Distúrbio neoplástico, etc. ELES PODEM SER biológicas substancias, Como enxertos de osso ilíaco (Figura (Figura 2) 2) enxertos e fibular NA Região cervical. enxertos femoral PODE Ser Utilizado Onde cargas axiais Mais espinais estao PRESENTES Como na lombar Região. Sintéticos Materiais, Tais Como Aço Inoxidável, titânio e Polímeros de carbono PODEM Ser utilizados em Formas solidas e roscados (Figura (Figura 3 3).

Pós-operatório Imediato antero-posterior (A) e radiografias Digitais Laterais (B) dos Espinhos lombossacrais com artrodese lombar posterior Exibindo OS níveis LV4-LV5 laminectomia com enxerto de osso ilíaco Ao Nível do disco LV4-5.

Ântero-posterior (A) e radiografias Laterais (B) da Coluna cervical Exibindo Marcadores metálicos de CV4-5 espaçadores de disco intervertebral.

Em QUALQUÉR Situação, uma cavidade centrais E Tipicamente Embalado COM fichas autólogo de osso, osso desmineralizado, e / ou proteína morfogenética óssea estabelecer uma Fusão óssea. Os Mais Recentes espaçadores Sintéticos Não-metálicos Contém Dois Marcadores rádio-Opacos Para permitir uma Avaliação radiográfica da posição Espaçador (Figura (Figura 4 4) [7, 19].

Ântero-posterior (A) e radiografias Digitais Laterais (B) dos Espinhos lombossacrais com artrodese lombar posterior Exibindo LV3 atraves de níveis SV1 laminectomia COM 2 Marcas Metálicas denotando Inserção de espaçadores de disco intervertebral radiolúcidas. .

substituição de Corpos vertebrais (corpectomia)

Doenças da Coluna vertebral de Processos neoplásicos, Infecciosos OU PODEM traumáticos necessitar de ressecção de Um OU MAIS Corpos vertebrais, em determinadas circunstancias, conhecidas Como corpectomia OU substituição fazer vertebral Corpo. Manter a altura segmento da Coluna vertebral perdido E OBRIGATÓRIA parágrafo Preservar a funcionalidade e Evitar Mais Complicações Relacionadas neurais [4].

Para Procedimentos corpectomia Grandes enxertos de Braço São utilizados. enxertos de Braço femorais São Projetados parágrafo OSU na lombar OU Coluna torácica, enquanto aloenxertos fibular de Braço OU enxertos crista ilíaca PODE Ser Utilizado em corpectomia cervical anterior tricortical. Em todos OS Casos, como fixações de hardware espinais São adicionados parágrafo compartilhar de Suporte de carga e auxiliar Fusões ósseas [7].

Um total substituição do disco

total de substituição do disco, also Conhecido como artroplastia do disco, E realizada em patients Onde se Acredita Que A SUA dor Para Ser discogênica de Origem sem o Envolvimento da raiz nervosa, Bem Como estenose espinal ausente OU espondilolistese [4, 7, 20].

Estes Procedimentos were invocada na Tentativa de Evitar OS Efeitos Sobre os Segmentos adjacentes de Movimento e como facetas seguintes artrodese vertebral [21, 22].

Pelo Menos 4 milímetros de altura do disco residual E UMA Falta de degeneração significativa Placa de extremidade de para proporcionar um Ancoragem satisfatória PARA O Dispositivo de Substituição São pré-requisitos. A Presença de instabilidade da Coluna vertebral, degeneração articular faceta, osteoporose e / ou Infecção contra-indica a substituição total de fazer o disco [4, 23].

A Primeira prótese de disco humano, Que consistia de hum Único rolamento de Esferas, inserida foi há de final de 1950 [24]. Bao et al [25] classificou de Estes Dispositivos em Quatro Categorias: (1) baixa fricção superficie de deslizamento; (2) Sistemas de mola e dobradiças; (3) contido Câmaras Cheias de Líquido; e (4) constítuida POR discotecas de Borracha UO Outros Elastómeros.

estabilização Dinâmica da Coluna vertebral

Procedimentos de Fusão espinhal reduziu a dor clinicamente, mas o aumento do estresse Sobre os Segmentos adjacentes foi Uma nova causa de instabilidade e dor [28 -30]. estabilização Dinâmica PODE Ser Uma alternativa à Fusão, em Alguns patients com dor lombar crónica proveniente de degeneração da Coluna lombar [31].

O Conceito de estabilização Dinâmica baseia-se alterando Suporte de carga e Controle de Movimento anormal. Isto É Limita a pressao exercida Sobre o segmento adjacente Ao nivel de Fusão e, Assim, Ajuda a Prevenir uma degeneração progressiva [31 -35].

Uma grande Variedade de Dispositivos de estabilização Dinâmica ESTÁ available. De Estes Dispositivos PODEM Agrupadas Ser, de according com a SUA Concepção, NAS CATEGORIAS seguintes: (1) Parafusos pediculares e ligamentos Artificiais; (2) Dispositivos de descompressão Processo de inter-Espinhosos; e (3) substituição Sistemas elemento posterior [4].

Modalidades de Imagem

A radiografia E o esteio Utilizado Para a Imagem pós-operatório de Fusão Graças da Coluna vertebral parágrafo SUA Ampla Disponibilidade, custo-eficacia e Natureza Não-invasiva, embora a tomografia Computadorizada (TC) E relatado Para Ser Uma Modalidade Mais Preciso [6, 36, 37].

radiografias basais OU Imagens CR São Essenciais Para avaliar a posição Construção da Coluna vertebral (Figura (Figure5) 5) e servir Como hum Ponto de Partida Para a Avaliação de Estudos Futuros, OS PACIENTES devem desenvolver síntomas sugestivos de Complicações potenciais. Uma Mudança na posição OU falha do instrumento E MUITAS vezes fácilmente Apreciado NAS radiografias em série OU IMAGENS CR [6, 37]. Ântero-posterior (AP), lateral, Estudos obliquo, e Movimento (flexão, Extensão OU flexão lateral) como Imagens São geralmente adequada e varia de Uma Instituição parágrafo Outra.

Ântero-posterior (A) e radiografias Laterais (B) Exibindo Bem posicionada lombar da Coluna vertebral Construir com Parafusos pediculares Centrais Dentro dos pedículos e NÃO violem OS córtices OU Placas Terminais adjacentes.

Em Alguns Casos, como Imagens fluoroscopia posicionados PODEM Ser Necessários Para julgar Melhor Alinhamento dos hardware OU ósseas Estruturas Para identificar Mudanças Sutis de forma otimizada Mais [9, 38, 39].

No entanto, a Natureza projectional da radiografia, insensibilidade Para detectar metástase e Pará explicar OS síntomas neurológicos São inconvenientes that limitam o Seu Rendimento [4 -7].

Politomografia tinha SIDO USADO parágrafo detectar Movimento sutil nenhum site da Fusão [40]. Hoje em dia, A SUA utilização SO SE justifica when Mais Velhos hardware de Aço Inoxidável ESTÁ Presente, Que se opõe a tomografia Computadorizada adequada [7, 40].

O ultra-som NÃO E comumente USADO parágrafo avaliar como Possíveis Complicações da Coluna vertebral, embora a detecção de abscessos superficiais OU colecções de Fluidos PODE Ser Realizado com ESSA Técnica e PODE Ajudar a orientar A SUA Aspiração [4, 6].

A Computadorizada tomografia

Por MUITOS anos, endurecimento do feixe significativa e Artefatos de Suscetibilidade visto nenhuma CT e Ressonância Magnética (RM), respectively, fez estas Ferramentas de Imagem Uma má ESCOLHA Pará Avaliação de patients com Implantes metálicos da Coluna vertebral [41 -43]. Movimento do Paciente, MUITAS vezes agrava os tais Artefatos, não entanto, ISSO PODE Ser superado com o atualmente Disponível TC de Múltiplos Canais de Alta Velocidade.

No entanto, com OS Recentes avanços na Tecnologia de CT; especialmente na era multi-detector; Bem Como Melhorias hardware materiais; incluíndo materiais com Menos Artefatos significativos, Tais Como titânio, Polietilenos e fibrocarbons; MUITOS Implantes Artificiais PODEM Ser visualizados com Menos Artefatos Preservar INFORMAÇÕES Relevantes imaging [6, 7, 41, 44].

CT E uma Modalidade de ESCOLHA parágrafo imagiologia Detalhe óssea na Coluna vertebral, parágrafo Avaliação Precisa da posição de Componentes, em Especial para o posicionamento dos Parafusos pediculares, avaliando tanto espinhal e Construir o Alinhamento, EO grau de Fusão óssea [6, 7, 45 , 46]. ELE TAMBÉM PODE avaliar o canal medular e como Complicações pós-operatórias potenciais [6, 7, 45, 46].

Artefatos induzida cabelo de metal sem CT São OS Resultados de Ambos OS Fatores Relacionados com o hardware, Como uma Composição de hardware, geometria (forma), Bem Como a Localização de Imagem e Fatores técnicos, incluíndo a corrente do tubo (em mili-amperes- Segundos, o MAS); Raios-X de pico quilovolts (kVp); campo; e Um algoritmo de Reconstrução de Imagem (filtro) [47, 48].

Factores Relacionados com o estao hardware Além do Controle do Gerador de Imagens. hardware ortopédica Composta de menor raio-X coeficientes de atenuação do feixe (Densidade) Materiais Resulta em Menos Artefactos Por Exemplo ligas de titânio produzem Menos Artefatos fazer that como ligas de Aço Inoxidável [47 -50].

Partes do Corpo magro e contraditório Mais Finas dos Feixes Raios X-hardware atenuadas de metálicos Menos do Que SUAS contrapartes Mais grossas Que produzem Menos Artefactos de Degradação [47 -50]. ISSO poderia sor de Aplicação clínica em Imagem da Coluna cervical reconstruída com Tração em baixa dos ombros Ao Levantar OS Braços Acima da Cabeça parágrafo a Imagem latente não dorsal reconstruído e Regiões da Coluna vertebral lombar [47 -50].

Por Lado Outro, o Controlo dos seguintes Factores de Imagem PODE melhorar significativamente como Imagens resultantes de hardware e permite RESPOSTA exacta de Questões Relevantes Clínicas.

Raios-X de pico quilovolts

A maioria dos tubos de Raios-X CT- Atual operar em 120 quilovolts de pico (kVp) Padrão configuracao Como Uma. ISTO PODE Ser Suficiente Para a imagiologia de hardware espinhal cervical EM PACIENTES Finas. No entanto, em Pacientes chubbier e Mais contraditório Espessas, Tais Como dorsal, lombar e sacral Espinhas, Uma KVP Mais Elevada, Por Exemplo 140 KVp PODE Aumentar a CAPACIDADE fazer feixe de Raios-X parágrafo penetrar nenhum metal [47, 51, 52] .

Raios-X corrente do tubo: Um aumento Adequado na Definição corrente do tubo usando Ponto OS focal tubos de Maior aumenta a CAPACIDADE fazer feixe de Raios-X parágrafo penetrar nenhum metal [48 -52].

Parâmetros de Reconstrução de Imagem

A utilização de hum filtro de Reconstrução OU Padrão liso E preferida, particularmente na Presença de Peças metálicas e densa em Doentes com Uma grande biotipo. O Uso de definições da Janela de Largura (3000-4000 Largura da Janela HU, 800 níveis de janela) Facilita a visualização de Estruturas adjacentes Ao hardware de metal e reduz OS Efeitos de Artefatos de metal. Reunindo como Pequenas Fatias de espessura em reformates Mais grossa Ajuda a Recolher OS Artefatos induzida POR metais e melhorar a Relação Sinal-Ruído [47, 48, 50, 52].

Técnicas de renderização volumétrica, Como VR e SSD impressionar vistas semitransparentes de Ossos Que tendem a Recolher OS Artefatos de metal, permitindo Uma Avaliação adequada da Relação de metais hardware-bone [47, 48, 50, 52].

Imagem de Ressonância Magnética

CT e radiografias simples virtualmente fornecer Todas quanto INFORMAÇÕES de diagnóstico Relevante Sobre enxertos, Implantes e hardware, Ressonância, portanto magnética (MRI) era comumente reservados devido a Artefatos magnéticos-susceptibilidade visto com tão Antigas ligas de Aço Inoxidável [6, 7, 55] .

No entanto, Ambos OS avanços Recentes de Ressonância Magnética e Polímeros magneticamente inertes Mais Recentes Usados ​​Pará um FABRICACAO DE Elementos de hardware da Coluna vertebral permitiu Imagens de Resolução Mais Elevados de valor diagnóstico clínico. RM Tornou-se parte Integrante da Avaliação do Paciente com Implantes de dolorosas hardware, Onde OS ACHADOS Clínicos São Não-focal e diagnóstico laboratorial E negativo parágrafo a Infecção [50, 55 -58].

MRI E parágrafo Sensível como Fraturas detectar, pseudo-artrose, e Infecções. ELE descreve a medula do osso esponjoso Bem em Comparação cortical com osso [37].

induzida POR Peças Metálicas MR Artefatos de Suscetibilidade São principalmente a soma das heterogeneidades de campo LOCAIS (devido a Diferenças Girar Ressonância between de metal e Que cercam Tecidos moles) Que alteram tanto de fase e Frequência de gira LOCAIS. Estas resultam em subsequente falha de registro de Formação da Imagem, soluçar uma forma de Perda de Sinal Dentro fazer metálico Objecto, uma distorção da forma fazer metálico Objecto Ao Longo dos Eixos de codificação de Frequência e Seleção Secção, Bem Como Uma Elevada intensidade de Sinal Que Aparece em torno fazer metálico Objecto (Figura (6A Figure6A) [59 -62].

Prestando Atenção à posição do Paciente, uma ESCOLHA de Parâmetros de Imagem adequados e selecionar Sequências de pulso Diferentes vai Ajudar a Recolher Artefatos de Suscetibilidade MR Associados Ao hardware espinhal e otimizar o valor clínico de MRI sas grupos de patients.

Mais uma vez, OS Fatores Relacionados com o estao hardware Além do Controle do Gerador de Imagens. titânio Não-ferromagnético e Implantes imposta POR policarbonato produzem Menos Artefatos sepulturas fazer that OS Implantes ferromagnéticos Feitos de Aço Inoxidável. Além Disso, Maior Quanto para o * Tamanho do implante o Mais invasor o artefacto Sera [47, 62, 65 -67].

Apesar dos Vários Componentes e Indicações fazer espinal hardware, o Alinhamento do Eixo longitudinal do Dispositivo de hardware paralelo à direcção do campo magnético principal (z -Eixo do scanner), Ira Recolher significativamente o artefato Resultante [47, 62, 66 -68].

A Qualidade das Imagens de RM E Dependente dos Parâmetros de Sequência de pulso utilizada. Técnicas de Rotina USADA na configuracao pré-operatória empregue NÃO PODE Ser na Definição de pós-operatório, Como o artefacto de metal de Resultante E MUITO grande, Dando Origem uma Imagens de diagnóstico não- [56].

De Alto Campo de Força Imans Produzir MAIORES Artefactos de susceptibilidade magnética Como hum registro incorreto Artefactos São proporcionais à magnitude da falta de homogeneidade local, sem campo magnético principais, AO MESMO ritmo Que É inversamente proporcional A Força do gradiente de Frequência de codificação Aplicado [47, 68, 69].

Força gradiente Depende campo de Visão selecionado OE * Tamanho da matriz em Uma determinada Seqüência de pulsos. Isto É implica that, Quanto menor o voxel, menor Quanto para o artefacto [66]. Por ISSO, a utilização de hum campo pequeno de Matriz de Visão, de alta-Resolução (Por Exemplo 256 256 OU 512 512), uma fina Secção, e gradiente de Alta intensidade PODE Ajudar a Recolher OS Artefactos Relacionados com metais [47, 71 ].

Em contraste com a Sequências de GRE, o Uso de hum pulso de 180 reorientação com Sequências SE e FSE, permite a Recuperação fazer transversal Sinal perdido devido a heterogeneidades campo magnético estático e como Diferenças de susceptibilidade a granel, em Certa Medida, [66, 72].

Variação do Campo Magnético Regionais EM Torno Dispositivos Metálicos OU detritos Cria UM Campo magnético NÃO homogéneo, aumentando a Perda de Sinal induzida POR metais e Fazendo Uso de saturação de Gordura má ESCOLHA de Frequência Seletiva Para descrever lesões da medula e otimizar Estudos de contraste EM PACIENTES com Peças metálicas [72].

Um Método alternativo Para a supressão de Gordura E a utilização de inversão Curto ritmo de inversão de Imagem de Recuperação Que É Menos Dependente da homogeneidade do campo magnético principais [47, 61, 69]. No entanto, diminuiu a Relação Sinal-Ruído com Perda de Resolução fazer Sinal de Tecido e aparencia granulada de Imagens FINAIS e Um Compromisso [52, 75].

Outro Método de MRI POR Artefatos Metálicos anulamento abordada com POUCO Compromisso SNR Conhecido como Imagem de ponto Único (SPI) Emprega Vários milissegundos Pará um PREPARACAO de Sinal e Aquisição. ELE adquire Apenas o decaimento Livre Imediata APOS off pulsos de excitação parágrafo Evitar Componentes Relacionados à Difusão de Indução artefato metálico. ASSIM, SPI requer Grandes amplitudes de gradiente e Longos tempos de digitalização [62, 78].

Medicina nuclear

A cintilografia óssea incluíndo Emissão de Fóton Único CT (SPECT) PODE avaliar OS LOCAIS de Fusão (o segmento de fundidos DEVE Ser frio apos 6-12 mo) e Ajudar na detecção de Infecção na Região de Implantes metálicos; especialmente Útil Nos Casos em that MRI NÃO PODEM Ser executadas NÃO UO para diagnóstica [79 -82].

scans de radionuclídeos PODE Permanecer positiva Por Um ano Mais ou na Região do leito operatório e Instrumentação devido à continuou a remodelação óssea normal de nenhum site da Fusão [4, 6, 9, 81, 82].

No entanto, Uma intensa Actividade PODE focal Muito refletir a Presença de Não-União (pseudo-artrose), em Oposição a Uma Atividade mais mal Definida OU difusa that reflete normalmente aumento do metabolismo ósseo em Uma Coluna fundido [7]. tecnécio combinadas e Estudos de Células Brancas do Sangue marcadas PODE Ser Útil Para avaliar a Infecção [7, 9, 81, 82]. A Técnica radiotracer Precisão Desta dupla superiores a 90% a [81, 82].

Geralmente, varreduras do osso São Mais sensíveis e Menos Específico fazer that radiografias simples e imagem transversal [7].

mielografia

Fluoroscopicamente, EUA OU injecções Anestésicos guiada-CT PODE Ser USADO parágrafo determinar a fonte da dor em torno de Uma prótese, por exemplo, site da UM e gancho, Comum faceta, OU UM disco Ou de Uma Região pseudo-artrose Suspeita. Alívio da dor apos uma Injeção de anestésico Confirma A Origem da dor e permite Uma Seleção adequada de opções de treatment. A Aspiração de óssea, disco OU lesões de Tecidos moles also E Útil when Houver Suspeita de Infecção [6, 9]. Tabela Table2 2 currículo OS Diferentes Métodos de Imagens para Avaliação de hardware da Coluna vertebral, Bem Como como principais Indicações parágrafo um SUA utilização.

Resume Técnicas de Imagem e Indicações [6]

Achados de Imagem da HARDWARE ESPINAL NÃO complicada e Fusão

e Implantes enxertos Inter-CORPO

Fusão inter-Corpo PODE Ser levada a cabo com o osso cortical e enxerto autogéneo UO com gaiolas de Fusão inter-corporal. espaçadores de disco radiolúcidas Conter Dois Marcadores radiopacos Que permitem o Seu Reconhecimento NAS radiografias pós-operatórias [3, 4, 6, 7].

No Período pós-operatório Imediato, gaiolas de metais apareceu a flutuar Dentro fazer intervertebral Espaço em radiografias dos simples AP Como autografts morselized colocados Dentro and / or em torno Deles Não São visíveis Nos Raios-X simples. Em Fusões intactas, OS Contornos das gaiolas radiolúcidas tornar-se Cada Vez Mais Evidente that o enxerto de osso adjacente consolida Ao Longo do Tempo sem lucency adjacente OU Esclerose [3, 4, 6, 7].

Um Espaçador Bem posicionado IRA Mostrar hum marcador posterior LOCALIZADO anterior, cabelo Menos, 2 mm a posterior Margem do Corpo vertebral adjacente (Figura (Figure4B). 4B). This aparencia de Imagem IRA excluir rampa / gaiola protuberância no canal medular [3, 4, 6, 7].

Um total substituição do disco

Como Características de Projeto destes Dispositivos São Variáveis. No entanto, tanto a radiografia e CT São igualmente utilizados Para a Avaliação do Seu posicionamento. Idealmente, o Dispositivo Ser DEVE LOCALIZADO na Linha Média Entre Os Dois pedículos em radiografias AP OU tomografias axiais OU coronal e NÃO DEVE penetrar Placas FINAIS adjacentes. Sem Diz Que Respeito Ao posicionamento do AP, o centro de Rotação DEVE Estar LOCALIZADO na Metade posterior do espaço do disco, não entanto, NÃO DEVE estender-se Para Além da Linha de Corpo posterior vertebral [83 -85].

Parafusos pediculares

Como Combinações de Placas e / ou varetas com Parafusos pediculares São interligados parágrafo Instrumentação da Coluna vertebral, comeu Que a nossa fusão óssea Resulta. colocação do Parafuso E Tipicamente ideal Ao Longo fazer Aspecto medial do pedículo e contida Dentro do pedículo. Não Há consensus Sobre o Seu comprimento óptimo (50% do Seu comprimento Dentro fazer vertebral Corpo), não entanto, NÃO DEVE romper a Integridade dos córtices adjacentes OU Placas Terminais (Figura (Figure5). 5). No entanto, OS Parafusos sacrais PODE Ser ancorada no córtex anterior do sacro parágrafo Estabilidade Adicional [3, 4, 6, 7].

posição do Parafuso e fractura PODEM geralmente Ser detectados em radiografias parágrafo hum posicionamento óptimo (Figura (Figure5) 5) OU Inserção inadvertida (Figura (Figure7A 7A e B). No entanto, CT e / ou Ressonância Magnética IRA Mostrar Isto É Mais claramente com um Vantagem Adicional de avaliar o estado de enxerto ósseo e excluindo pseudo-artrose [3, 4, 6, 7].

Ântero-posterior (A) e radiografias Digitais Laterais (B) dos Espinhos lombossacrais Exibindo Parafuso pedicular aberrante violar LV3 placa de terminais superiores e Salientes em disco LV2-3, T2W (C) e T1W (D) sagital Imagens de Ressonância Magnética Exibindo aberrante .

Posterior Fusão / postero-lateral

Como Primeiras Aparições radiográficos pós-operatórios São Bastante Variáveis, Por vezes, a Mostra Grandes massas de Fusão solidas, e Outras vezes, Pequenos enxertos ósseos wispy dificilmente aparecem no raio-X simples, and / or na TC, especialmente se Pequenas quantidades de enxerto were colocados Ao Longo da posterior Elementos e / ou Processos transversais (Figura (Figure8 8) [3, 6, 7, 9]. ISSO consolida gradualmente Ao Longo de Vários meses em Uma Fusão óssea Sólida Dentro 9-12 mo pós-operatório, se Fusões Bem sucedidas TEM seguiu [3, 6, 7, 9].

Como visualizações do Ponto de fluoroscopia das espinhas lombo-sacral REPRESENTANDO OS fragmentos de Ossos finos Usados ​​Pará uma Fusão ao Lado do hardware de segmento Curto em níveis Lv4 e LV5. Estes were cevada visto em radiografias.

Anterior / Dispositivos de Fixação ântero-lateral

Estes São comumente visto seguintes Procedimentos ACDF, Cirurgia Corretiva escoliose e / ou seguintes corpectomia em vertebral QUALQUÉR Nível da Coluna vertebral. Estes Dispositivos São comumente localizadas anteriormente abrangendo Dois OU Três Segmentos em Regiões cervical, e estao localizados mais-ântero lateralmente abrangendo Segmentos Mais Longos na dorsal e Os níveis lombares (Figura (Figura 9 9) [5 -8, 13].

Ântero-posterior (A) e radiografias Laterais (B) dos Espinhos dorso-lombar Que Mostra Uma pressa Harrington Que mede o dorsal superiores e vértebra lombar parágrafo Rectificação de escoliose do Adolescente.

lâminas anterior São ancoradas AOS Corpos vertebrais subjacentes com Parafusos, that devem ENTRAR sem córtex anterior de Cada Corpo vertebral e se Sentar no córtex posterior sem colidir com o cabo Para a Compra firme de OS Parafusos parágrafo PROMOVER a compressão de materiais de enxerto posterior e melhorar um óssea Fusão. Idealmente, Parafusos OS NÃO DEVE introduzir Uma placa de extremidade adjacente e DEVE SER Menos Pelô 2 mm a Partir das Placas de extremidade superiores e inferiores [5 -8, 13].

Geralmente, Os discos intervertebrais São removidas e substituídas com materiais de enxerto ósseo Pará uma Fusão espinal anterior. Por vezes, Estes Dispositivos São complementados com OS Dispositivos de Fixação posterior.

Achados de Imagem da HARDWARE ESPINAL complicado e FUSION

Dadas as dificuldades Técnicas de Procedimentos de Instrumentação da Coluna vertebral, E reconhecido that como Complicações PODEM surgir de mal-posicionamento de hardware, dificuldades Técnicas Associadas com Diferentes Abordagens cirúrgicas, circunstancias Clínicas subjacentes, Bem Como Paciente imprópria e / ou Seleção de hardware. Imagiologia desempenha hum papel vital na Avaliação de potenciais Complicações de Procedimentos de Instrumentação da Coluna vertebral.

Cada radiologista DEVE ter o SEU / SUA Abordagem Sistemática Para avaliar a Integridade do Espinal hardware, neural e Estruturas vasculares Longo da Coluna vertebral, incluíndo o forame neural, saco TECAL, da medula espinal e da cauda equina, Bem Como regions ANATOMICAS peri-espinal de Interesse.

EM TERMOS Gerais, essas Complicações São divididas em Complicações Relacionados com o hardware da vertebral Coluna, Complicações Relacionadas com a Fusão óssea e operativas Complicações Relacionadas Ao Procedimento.

Relacionadas AO Complicações Procedimento Operatório

Pontos operativo nivel de Procedimento parágrafo Possíveis Complicações. Procedimentos da Coluna cervical anterior PODE Estar Associada a Paralisia Transitoria fazer nervo, arterial (vertebrais e carótidas) dissecções e lágrimas esofágica [86 -90]. Enxerto de osso de Extrusão e instrumento subsidencia TAMBÉM TEM SIDO descritos [90].

Procedimentos Anteriores NA Coluna toraco-lombar TEM Uma Maior Incidência de Complicações LOCAIS e na área doadora do enxerto ósseo. lesões vasculares São also Mais Comuns [91, 92]. Com Técnicas Mais Recentes, Como o Vídeo-artroscopia, lesões ducto torácico e de prejuízo parágrafo OS Longos Nervos torácicos OU frênico PODE ocorrer [13].

Fixação da Coluna vertebral e Fusão São Procedimentos Surgical Longos; especialmente com o aumento do comprimento dos Segmentos da Coluna FIXA Como na escoliose; Sendo necessaria uma imobilização prolongada OU decúbito, Tornando OS PACIENTES Mais vulneráveis ​​a Certas Complicações, Como lesões do plexo braquial, síndrome da Artéria mesentérica e tromboflebite superiores [9, 93 -95].

Como Complicações Médicas also São Comuns. Infecções do trato geniturinário ocorrem EM 20% E trombose Venosa profunda EM 25% DOS PACIENTES. Estes Problemas São Mais Comuns em patients Que Tem Paralisia pós-traumático OU hospitalização prolongada [9]. hemorragia gastrointestinal PODE Ser Tão Alta Como 40% em Doentes Tratados com a terapia esteroide [91].

O Início agudo de síntomas neurológicos sem Cenário pós-operatório Imediato desen despertar A Suspeita clínica Sobre a Possível Formação de hum hematoma, Uma Emergência Cirúrgica Que requer descompressão Cirúrgica de urgencia [3, 9].

Infecções pós-operatórias PODEM ocorrer sem pós-operatório Período Imediato OU apresentar de forma latente Vários Meses Apos uma Cirurgia. A Envolver Infecção PODE QUALQUÉR Tecido não Leito pós-operatório [96, 97]. PoDE Ser o resultado do implante no momento da Cirurgia OU ocorrem Mais tarde, devido a PROPAGAÇÃO hematogénica and / or a Contaminação da ferida [96, 97].

Staphylococcus epidermidis e Propionibacterium acnes São OS principais Organismos Associados com Infecções de Implantes [96].

Os patients MUITAS vezes apresentam dor, gostosura, vermelhidão da Pele e inchaço no local, da Cirurgia com a Formação de drenagem dos seios Coleções Profundas em Alguns Casos.

Sagital T2W SE Imagem (A), axial T1 pré-contraste (B) e pós-contraste de Imagens SE MR (C) em Uma exibição do Paciente há pós-operatório localizada Coleção enquistadas no leito operatório com realce de contraste apreciável da Coleção encysted Seguinte .

Aspiração guiada POR tomografia Computadorizada PODE Ser Útil Para ISOLAR o Organismo agressor parágrafo Exames de cultura e Sensibilidade auxiliando Seleção antibiótico Adequado. um Retirada fazer implante PODE Ser efectuado em Primeiro Lugar, se a Fusão Sólido foi conseguido em Infecções latentes [3, 6, 7, 96, 97].

Complicações Relacionadas com o hardware da Coluna vertebral

DEVE Ser lembrado that um Instrumentação utilizada na Cirurgia de Fusão Não Se Destina a substituir OS Elementos ósseos da Coluna vertebral, mas parágrafo estabilizá-los Como a massa de Fusão consolida e assumir Como a principal fonte de Apoio. QUALQUÉR Fator Que retarda Fusão sujeitará o implante parágrafo cargas anormalmente Elevados POR periodos Mais Longos e, Finalmente, falham when se exceder as SUAS Capacidades de Carregamento [3, 4, 6, 7, 9, 18, 37].

Seleção imprópria dos Implantes PODE Ser uma causa da falha, Como um Construção escolhida PODE NÃO suportar como cargas fisiológicas transmitidos com ELE parágrafo hum Determinado Paciente e Cenário clínico. Os patients NÃO compatíveis com a precauções espinhal pós-operatórias (evitando Trabalho pesado, flexão excessiva OU torção do tronco, OU uma Exposição de Atividades de Alto Impacto) São susceptíveis de ter SEUS Implantes falhar [37]. O trauma E UMA causa Comum de falha de hardware Imediato [6, 7, 37].

T2W SE (A) e T1W (B) Imagens de Ressonância Magnética sagital Exibindo Múltiplos colapso do Corpo vertebral segmentação LV1, DV11 e Os níveis de DV8 em predisponente osteoporótica Paciente uma falha de hardware.

Uma falha de hardware ocorre when hum implante quebra, or o Dispositivo Torna-se grande parte dissociada do Osso subjacente. Os Resultados Nestes Casos incluem uma Migração da pressa OU desprendimento, a quebra da haste, gancho corte OU Retirada, uma quebra do fio, Parafuso recorte e falha (Figura (Figure12 12) [37].

Ântero-posterior (A) e radiografias Digitais Laterais (B) de dos Espinhos lombossacrais com Uma Curto segmento posterior Fixação abrangendo LV5 e níveis SV1, com fratura Do Parafuso pedicular inferior Esquerdo da Construção representação falha de hardware.

de base Com nd SUA utilização em Todo o Mundo E como Estruturas vitais adjacentes AOS SEUS LOCAIS de Inserção, Complicações de Parafuso de pedículo São amplamente discutido na literatura. Em Uma grande série, Lonstein et al [103] relataram fracturas dos Parafusos em 0,5%, a penetração do córtex anterior em 2,8%, fracturas pediculares em 0,6% -2,7%, lágrimas durais em 1% , e irritação da raiz nervosa em 1% (este foi Relacionado medial para UO a colocação do Parafuso inferior).

Afrouxamento dos Parafusos pediculares aparecer Como hum aro de lucency em torno dos filetes de rosca (OU QUALQUÉR hardware) especialmente when o lucency exceder as 2 milímetros OU Aumentos sem * Tamanho de Raios-X (Figura (Figura 13) 13) e / ou tomografia Computadorizada de seguimento [3, 6, 7, 9]. Parafusos soltos OS, MUITAS vezes, gradualmente retrair e PODEM, eventualmente, ser Expulso do Osso inteiramente com eventual falha de hardware.

radiografias Digitais antero-posteriores dos Espinhos lombossacrais com artrodese lombar posterior Exibindo LV3 atraves de níveis SV1 laminectomia com lucenecy peri-Parafuso visto em torno dos Últimos Parafusos Que representam soltura asséptica.

Complicações PODEM surgir de medial OU Desvio laterais de Um Parafuso UO da SUA penetração no anterior córtex do Corpo vertebral [3, 6, 7, 9]. QUANDO afrouxamento asséptico E mostrado em Estudos de Imagem, o radiologista DEVE Olhar Para a Fusão falhou Associados e / ou Infecção [3, 6, 7, 9].

Complicações semelhantes PODEM surgir A Partir de mau posicionamento das Placas cervicais Anteriores e Parafusos, that PODEM penetrar no Espaço de disco adjacente, transversarium forame, espinal medula, or raízes nervosas [3]. Inadvertida mal posicionamento dos Parafusos-cervicais materiais Dentro do disco adjacente predispõe PARA O afrouxamento asséptico do hardware e hum Alto Risco de fratura vertebral do Corpo, material Como o tal do disco NÃO PODE segurar OS Parafusos [104].

Complicações Relacionadas Ao enxerto ósseo da Coluna vertebral

radiografias de série PODE Ser USADO parágrafo avaliar a Fusão usando OS Raios amplamente aceitos [107] criterios de Reconhecimento Fusão Sólida (Tabela (Tabela 3 3).

criterios de Raios Pará Avaliação da Fusão óssea da Coluna vertebral [107]

A Regra fundamentais de hardware E Que ELE Carrega Uma carga UO estresse e acabará POR falhar um Menos Que O Corpo se funde OU cura sem local. ASSIM, enxerto ósseo E USADO em Conjunto com a maioria dos Procedimentos de Instrumentação da Coluna vertebral Até um Fusão enxerto ósseo Sólido Segue Dentro de 6-9 meses e PODEM Ser identificados em IMAGENS [3 -9].

Pseudo-artrose UO um Própria União fibrosa PODE Ser Uma fonte de Geração de dor e Seu Reconhecimento precoce E fundamentais para Prevenir uma falha do instrumento e permitir o reparo precoce [40, 93]. Madura pseudo-artrose Aparece Como hum material de o em TODO lucency claramente linear de enxerto com a Esclerose EM SUA Margem EM Filmes radiográficos [3, 6, 7, 9, 40, 108]. Os mesmos ACHADOS de Imagem São Vistos em Exames de TCMD COM SUA Alta Resolução e Capacidades multi-planares. Além Disso, um TC PODE permitir uma Definição Precisa de Margens corticais e materiais de enxerto residual [3, 6, 7, 9, 40]. Com Implantes de titânio e cobalto-cromo Mais Recentes MRI PODE descrever focal Alta intensidade de Sinal na Região de pseudo-Articulação NAS IMAGENS EM ponderadas T2 e bandas de baixa intensidade NAS Imagens ponderadas em T1. alterações da medula reativas e realce com gadolínio devido Ao Movimento anormal TAMBÉM PODE Ser visto [3, 6, 7, 9].

Nos Estágios Iniciais de pseudo-artrose, com Exame radiográfico equívoca, o aumento da Captação do radiofármaco E esperado em LOCAIS de e O Movimento 6-9 meses apos a Operação, Como mencionado anteriormente [7]. SPECT da Coluna mostrou valor na detecção dolorosa pseudo-artrose em patients apos cirurgias de Fusão Espinhal [109].

sequelas a Longo Prazo da Fusão

Fusão espinhal Sucesso altera permanentemente a mecânica dos Segmentos vertebrais em níveis adjacentes, resultando em alterações degenerativas acelerados NAS vértebras, ligamentos e discos intervertebrais [3, 7, 9, 28, 29]. Estas alterações degenerativas São denominados falha juncional OU Doença segmento adjacente [3, 7, 9, 28, 29, 115 -117].

ISTO foi reconhecido em algumas Séries Já em 3 MESES pós-Fusão e Tao do tarde Quanto 13 ano [117, 118].

falha juncional E comumente visto na Região lombar em Comparação com OUTRAS regions, com hum aumento do Número de Segmentos fundidos e com deformidades sagital residuais EM radiografias Verticais pós-operatório Imediato [117, 119, 120].

Aumentar disco de Perda de altura, degeneração, Saliencia fazer disco saliências e / ou, Bem Como artropatias faceta Progressivas São Comuns e preditivo parágrafo a Evolução de falha juncional em Diferentes Modalidades de Imagem com ênfase na Comparação Exame de série parágrafo Julgamento Preciso. Micro-trauma de para discos intervertebrais EM níveis adjacentes de Fusão PODE Ser UMA Fonte de Dor, embora de o disco E intactas morfologicamente em ressonância magnética e / ou Exames mielográfico [3, 117, 119, 120].

Fraturas vertebrais adjacentes e colapso TEM SIDO relatados, especialmente em Casos de osteoporose [117, 121].

CONCLUSÃO

radiografias da Linha de base de São Essenciais Como Ponto de Referência Para a Avaliação de futuros Estudos devem patients desenvolvem síntomas sugestivos de Possíveis Complicações. ELES PODEM justificar Mais propedêutica de Imagem com CT, MR e / ou Estudos de medicina nuclear, Como uma Avaliação de hum Paciente com hum implante de Coluna vertebral ENVOLVE Uma Abordagem multi-Modalidade. This Avaliação delineia Conhecimentos Básicos Para Ajudar OS radiologistas a se Aproximar Prática cotidiana na imagiologia clínica.

AGRADECIMENTOS

Agradeço Ao Dr. Abass Nour El-Din, Professor de Radiologia, Universidade de El-Minya, Egito, POR SUA Análise preliminar do manuscrito

Notas de rodapé

revisores: Ming-Yuan Tseng, MD, MPhil, mestrado, SCVM, PhD, do Departamento de Neurocirurgia, Addenbrookes Hospital da Universidade de Cambridge, 546 Derby Road, Wollaton Park, Nottingham NG7 2 Gy, Reino Unido; Shigeru Ehara, MD, Professor, Chefe do Departamento de Radiologia, Iwate Medical University School of Medicine, Morioka 020-8505, Japão

Editor de S- Cheng JX L- editor de Webster JR E- editor de Zheng XM

Referências

1. Hibbs RA. Uma Operação parágrafo deformidades da Coluna vertebral Progressivas. NY Med J. 1911; 93: 1013-1016.

2. Albee FH. Transplante de Uma Porcão da tíbia na Coluna vertebral parágrafo a Doença de Potts. JAMA. 1911; 57: 855.

5. Slone RM, McEnery KW, Bridwell KH, Montgomery WJ. Técnicas de Fixação e Instrumentação utilizada na torácica, lombar e Coluna lombo-sacra. Radiol Clin North Am. 1995; 33: 233-265. [PubMed]

6. Berquist TH. Imagem da espinha pós-operatório. Radiol Clin North Am. 2006; 44: 407-418. [PubMed]

8. Slone RM, McEnery KW, Bridwell KH, Montgomery WJ. Técnicas de Fixação e Instrumentação utilizada na cervical Coluna. Radiol Clin North Am. 1995; 33: 213-232. [PubMed]

10. Sharma M, Langrana NA, Rodriguez J. Papel de dos ligamentos e facetas na Estabilidade da Coluna vertebral lombar. Spine (Phila Pa 1976) 1995; 20: 887-900. [PubMed]

11. American Academy of Orthopaedic Surgeons. Um Glossário Sobre a Terminologia espinhal. Chicago: American Academy of Orthopaedic Surgeons; De 1985.

12. Denis F. A Coluna de Três Colunas e Seu significado na classificação de lesões na Coluna vertebral tóraco-lombar aguda. Spine (Phila Pa 1976) 1983; 8: 817-831. [PubMed]

13. Crawford AH. anterior Cirurgia sem Coluna torácica e lombar: Técnicas endoscópicas em Crianças. J Bone Joint Surg Am. 2004; 86: 2752-2763.

14. Peterson LE, Nachemson AL. Previsão de Progressão da curva em meninas Que Tem escoliose idiopática do adolescente de Gravidade Moderada. Análise de Regressão logística com base de EM Dados do Estudo Brace da escoliose Research Society. J Bone Joint Surg Am. 1995; 77: 823-827. [PubMed]

15. Hanley PT, David SM. artrodese lombar Para o Tratamento de Dor nas Costas. J Bone Joint Surg Am. 1999; 81: 716-730. [PubMed]

16. PC McAfee. gaiolas artrodese em Operações reconstrutivas na vertebral Coluna. J Bone Joint Surg Am. 1999; 81: 859-880. [PubMed]

17. Paul SD, Vincent TC, Kaut EM, Vijay GK. projetar de Construção da Coluna cervical. In: Edward BC, editor. Cirurgia da Coluna: Técnicas, Prevenção e Gestão de Complicações. Filadélfia (PA), EUA, Elsevier-Churchill Livingstone ;; 2005. pp. 1596-1608.

18. Krag MH. Visão Geral Fusão Espinhal de opções e Dispositivos de Fixação interna posterior. In: Frymore JW, editor. O adulto Coluna: Principios e Prática. New York: Raven Press; 1991. pp. 1919-1945.

19. Burkus JK, Gornet MF, Dickman CA, Zdeblick TA. artrodese lombar anterior utilizando rhBMP-2 gaiolas COM between Corpos cônicos. J Spinal Disord Tech. 2002; 15: 337-349. [PubMed]

21. Durbhakula MM, Ghiselli G. Cervical substituição de total de disco, a parte I: lógica, Biomecânica e Tipos de implante. Orthop Clin North Am. 2005; 36: 349-354. [PubMed]

22. Frelinghuysen P, Huang RC, Girardi FP, Cammisa FP. Lombar PEÇA de Substituição total de fazer disco I: lógica, Biomecânica e Tipos de implante. Orthop Clin North Am. 2005; 36: 293-299. [PubMed]

23. Sekhon LH, Bola JR. substituição de disco artificial cervical: Principios, Tipos e Técnicas. Neurol Índia. 2005; 53: 445-450. [PubMed]

24. Fernstrm U. artroplastia COM endopróteses intercorporal na hérnia de disco e não discoteca doloroso. Acta Chir Scand Suppl. 1966; 357: 154-159. [PubMed]

25. Bao QB, McCullen GM, Higham PA, Dumbleton JH, Yuan HA. O disco artificial: Teoria, design e materiais. Biomateriais. 1996; 17: 1157-1167. [PubMed]

30. Korovessis P, Papazisis Z, Koureas G, Lambiris E. rígida, semi-rígida em relaçao a Instrumentação Dinâmica Para a lombar degenerativa estenose espinal: Uma Análise clínica e radiológica correlativa de resultados a Curto Prazo. Spine (Phila Pa 1976) 2004; 29: 735-742. [PubMed]

31. Nockels RP. estabilização Dinâmica do Tratamento Cirúrgico de Problemas de Coluna lombar dolorosas. Spine (Phila Pa 1976) 2005; 30: S68-S72. [PubMed]

33. Schwarzenbach O, Berlemann U, Stoll TM, Sistemas de estabilização Dinâmica Dubois G. posteriores: Dynesys. Orthop Clin North Am. 2005; 36: 363-372. [PubMed]

36. Brodsky AE, Kovalsky ES, Khalil MA. Correlação da Avaliação radiológica de Fusões da Coluna lombar com Exploração Cirúrgica. Spine (Phila Pa 1976) 1991; 16: S261-S265. [PubMed]

37. Bagchi K, Mohaideen A, Thomson JD, Foley LC. Complicações de em hardware Cirurgia de escoliose. Pediatr Radiol. 2002; 32: 465-475. [PubMed]

38. Whitecloud TS, Skalley TC, Cook SD, Morgan EL. Medição radiológicos da penetração do Parafuso pedicular. Clin Orthop Relat Res. 1989; 245: 57-68. [PubMed]

39. Yeakley JW, Harris JH Jr. Imagem das Fusões da Coluna vertebral. In: Cotler JM, Cotler HB, Editores. Fusão espinhal, Ciência e Técnica. New York: Springer-Verlag; 1990. pp. 335-347.

40. Slone RM, MacMillan M, Montgomery WJ. Fixação da Coluna vertebral. Parte 3. Complicações da Instrumentação da Coluna vertebral. Radiographics. 1993; 13: 797-816. [PubMed]

41. Fishman EK, Magid D, Robertson DD, Brooker AF, Weiss P, Siegelman SS. Implantes de Quadril metálicas: CT com Reconstrução multiplanar. Radiologia. 1986; 160: 675-681. [PubMed]

42. New PF, Rosen BR, Brady TJ, Buonanno FS, Kistler JP, Burt CT, Hinshaw WS, Newhouse JH, Pohost GM, Taveras JM. Riscos potenciais e Artefatos de materiais e Dispositivos de Ressonância Magnética nuclear Surgical e Odontológicos ferromagnéticas e nonferromagnetic. Radiologia. 1983; 147: 139-148. [PubMed]

43. Sennst DA, Kachelriess M, Leidecker C, Schmidt B, Watzke O, Kalender WA. Uma plataforma baseada software em extensível parágrafo um Reconstrução e Avaliação das Imagens tomográficas. Radiographics. 2004; 24: 601-613. [PubMed]

44. O Watzke, Kalender WA. Uma Abordagem pragmática parágrafo Redução de artefato de metais não CT: Fusão de artefato de metal Reduzido Imagens. Eur Radiol. 2004; 14: 849-856. [PubMed]

45. Golimbu C, Firooznia H, Rafii M, Engler G, Delman A. Tomografia Computadorizada de Fraturas da Coluna torácica e lombar that were Tratados com Harrington Instrumentação. Radiologia. 1984; 151: 731-733. [PubMed]

46. ​​Branco RR, Newberg A, Seligson D. Avaliação tomográfica Computadorizada fazer traumatizado dorso-lombares da Coluna Antes E Depois Harrington Instrumentação. Clin Orthop Relat Res. 1980; 146: 150-156. [PubMed]

48. Douglas-Akinwande AC, Buckwalter KA, Rydberg J, Rankin JL, Choplin RH. Multicanal CT: Avaliação da Coluna vertebral em Pacientes pós-operatórias ortopédica com o hardware. Radiographics. 2006; 26 Supl 1: S97-S110. [PubMed]

49. Haramati N, Staron RB, Mazel-Sperling K, Freeman K, Nickoloff EL, Barax C, Feldman F. CT Faz uma Varredura atraves da Técnica de Varredura de metais contra a Composição de hardware. Comput Med Imagem Graph. 1994; 18: 429-434. [PubMed]

50. Branco LM, Buckwalter KA. Considerações Técnicas: CT e Ressonância Magnética sem Paciente ortopédico pós-operatório. Semin Musculoskelet Radiol. 2002; 6: 5-17. [PubMed]

51. Robertson DD, Weiss PJ, Fishman EK, Magid D, Walker PS. Avaliação de Técnicas de CT Pará Recolher Artefactos na Presença de Implantes ortopédicos metálicos. J Comput Assist Tomogr. 1988; 12: 236-241. [PubMed]

54. Rydberg J, Liang Y, Teague SD. Fundamentos da multicanal CT. Radiol Clin North Am. 2003; 41: 465-474. [PubMed]

55. Jinkins JR, Van Goethem JW. A Coluna lombo-sacra Pós-Cirúrgico. Avaliação Ressonância magnética Apos uma Cirurgia de disco intervertebral, um Cirúrgica descompressão, uma óssea intervertebral Fusão, e Instrumentação espinhal. Radiol Clin North Am. 2001; 39: 1-29. [PubMed]

57. Krijnen MR, Smit TH, Strijkers GJ, Nicolay K, Pouwels PJ, Wuisman PI. O Uso de Alta Resolução de Imagem de Ressonância Magnética Para monitorar artrodese e gaiolas bioabsorvíveis: um Estudo in vivo ex-piloto. Neurosurg Focus. 2004; 16: E3. [PubMed]

59. Ldeke KM, Rschmann P, Artefactos Tischler R. susceptibilidade em Imagens de RMN. Magn Reson Imaging. 1985; 3: 329-343. [PubMed]

60. Bakker CJ, Bhagwandien R, Moerland MA, Fuderer M. Suscetibilidade Artefatos em 2DFT spin-eco e gradiente-eco de Imagem: o modelo fazer cilindro revisitado. Magn Reson Imaging. 1993; 11: 539-548. [PubMed]

61. Viano AM, Gronemeyer SA, Haliloglu M, Hoffer FA. RM Melhorada Para patients com Implantes metálicos. Magn Reson Imaging. 2000; 18: 287-295. [PubMed]

62. Harris CA, Branco LM. Redução de artefato de metais na Ressonância Magnética músculo-esquelético. Orthop Clin North Am. 2006; 37: 349-359, vi. [PubMed]

63. Petersilge CA, Lewin JS, Duerk JL, Yoo JU, Ghaneyem AJ. Otimizar Parâmetros de Imagem Pará Avaliação MR da Coluna, com Parafusos de titânio sem pedículo. AJR Am J Roentgenol. 1996; 166: 1213-1218. [PubMed]

64. Porto JD, Pomper MG. Quantificação e minimização de Artefatos de susceptibilidade magnética em Imagens GRE. J Comput Assist Tomogr. 2000; 24: 958-964. [PubMed]

67. Ganapathi M, Joseph G, Savage R, Jones AR, Timms B, Artefactos de susceptibilidade Lyons K. MRI Relacionadas com escafóide Parafusos: o Efeito do tipo de Parafuso, Parafuso Parâmetros de Orientação e de Imagem. J Mao Surg Br. 2002; 27: 165-170. [PubMed]

68. Guermazi A, Miaux Y, Zaim S, Peterfy CG, Branco D, Genant HK. Artefactos metálicos em RM: Efeitos da Orientação do campo principais e forca. Clin Radiol. 2003; 58: 322-328. [PubMed]

71. Trmnen J, Tervonen O, Koivula A, Junilă J, Suramo I. otimização Técnica de Imagem na RM de Uma prótese de Articulação de liga de titânio. J Magn Reson Imaging. 1996; 6: 805-811. [PubMed]

72. Mitchell DG, Cohen MS. magnetização transversal e contraste T2. In: Mitchell DG, Cohen MS, Editores. Principios de Ressonância Magnética. 2nd ed. Nova Iorque, Nova Iorque: Springer-Verlag; 2000. pp. 35-47.

73. Tartaglino LM, Flanders AE, Vinitski S, Friedman DP. Artefatos Metálicos em Imagens de RM da Coluna sem pós-operatório: Redução com Técnicas spin-eco Rápido. Radiologia. 1994; 190: 565-569. [PubMed]

74. Hilfiker P, Zanetti M, Debatin JF, McKinnon G, Hodler J. Rápida de Imagens inversão-Recuperação spin-echo imaging contra spin-eco Rápida ponderada em T2 em anormalidades da medula óssea. Invista Radiol. 1995; 30: 110-114. [PubMed]

76. Lee MJ, Janzen DL, Munk PL, MacKay A, Xiang QS, McGowen A. Avaliação quantitativa de Uma Técnica de MR parágrafo Recolher artefato de metal: aplicativo Para girar-eco de Imagem em hum fantasma. Skeletal Radiol. 2001; 30: 398-401. [PubMed]

77. Potter HG, Nestor BJ, Sofka CM, Ho ST, Peters LE, Salvati EA. Um magnética Ressonância Apos um total artroplastia do Quadril: Avaliação de Tecidos moles periprotético. J Bone Joint Surg Am. 2004; 86-A: 1947-1954. [PubMed]

79. McMaster MJ, Merrick MV. A Avaliação de cintilografia da Coluna com escoliose Apos uma Fusão. J Bone Joint Surg Br. 1980; 62-B: 65-72. [PubMed]

80. Schiesser M, Stumpe KD, Trentz O, Kossmann T, Von Schulthess GK. Detecção de Infecções Associadas AOS Implantes metálicos com FDG PET em Pacientes com trauma: Correlação com OS Resultados microbiológicos. Radiologia. 2003; 226: 391-398. [PubMed]

81. Palestro CJ, Amor C, Tronco GG, Tomas MB. Papel da cintilografia PARA O diagnóstico de Infecção pós-operatória. Radiographics. 2000; 20: 1649-1660; DISCUSSÃO 1660-1663. [PubMed]

86. Fixação Grob D. Interno cervical da Coluna. Coluna vertebral. 1991; 16: 281-301.

91. Haas N, Blauth M, Tscherne H. Anterior chapeamento em lesões da Coluna toraco-lombar. Indicação, Técnica e Resultados. Spine (Phila Pa 1976) 1991; 16: S100-S111. [PubMed]

92. Ghanayem AJ, Zdeblick TA. anterior Instrumentação na Gestão de fratura toracolombar Explosão. Clin Orthop Relat Res. 1997; 335: 89-100. [PubMed]

93. Foley MJ, Calenoff L, Hendrix RW, Schafer MF. Torácica e Fusão da Coluna lombar: Avaliação radiológica pós-operatório. AJR Am J Roentgenol. 1983; 141: 373-380. [PubMed]

95. Geiger F, Parsch D, Carstens C. Como Complicações da Cirurgia de escoliose em Crianças com mielomeningocele. Eur Spine J. 1999; 8: 22-26. [PubMed]

96. Richards BS. Infecções atrasadas seguintes Instrumentação espinhal posterior Para o Tratamento da escoliose idiopática. J Bone Joint Surg Am. 1995; 77: 524-529. [PubMed]

97. Guidera KJ, Hooten J, Weatherly W, Highhouse M, Castellvi A, Ogden JA, Pugh L, Cook S. Cotrel-Dubousset Instrumentação. Resultados em 52 patients. Spine (Phila Pa 1976) 1993; 18: 427-431. [PubMed]

99. Brown CW, Orme TJ, Richardson HD. A taxa de pseudoartrose (Não União Cirúrgica) em patients Que São fumadores e Doentes Que Não São fumantes: um Estudo de Comparação. Spine (Phila Pa 1976) 1986; 11: 942-943. [PubMed]

100. Maloney WJ, Smith RL. osteólise periprotético nd Total artroplastia do Quadril: O Papel dos Resíduos de desgaste particulas. J Bone Joint Surg Am. 1995; 77: 1448-1461.

101. Wooley PH, Nasser S, Fitzgerald RH. A RESPOSTA imunitária parágrafo implante em Seres Humanos materiais. Clin Orthop Relat Res. 1996; 326: 63-70. [PubMed]

102. Toumbis CA, Kronick JL, Wooley PH, Nasser S. Um total artroplastia do Conjunto e da RESPOSTA imune. Semin Arthritis Rheum. 1997; 27: 44-47. [PubMed]

103. Lonstein JE, Denis F, Perra JH, Pinto MR, Smith MD, Inverno RB. Complicações Associadas com Parafusos pediculares. J Bone Joint Surg Am. 1999; 81: 1519-1528. [PubMed]

107. Ray CD. gaiolas de Fusão roscadas parágrafo Fusões intersomática lombar. Uma Comparação Econômica com 360 graus Fusões. Spine (Phila Pa 1976) 1997; 22: 681-685. [PubMed]

110. Um HS, Simpson JM, Glover JM, Stephany J. Comparação entre enxerto Mais matriz óssea desmineralizada contra o auto-enxerto na Fusão anterior cervical. Um Estudo prospectivo Multicêntrico. Spine (Phila Pa 1976) 1995; 20: 2211-2216. [PubMed]

111. Bolesta MJ, Rechtine GR, Chrin AM. discectomia Três e Quatro de Nível cervical anterior e Fusão com a Fixação de placa: um Estudo prospectivo. Spine (Phila Pa 1976) 2000; 25: 2040-2044; DISCUSSÃO 2045-2046. [PubMed]

112. Emery SE, Fisher JR, Bohlman HH. Três níveis discectomia cervical anterior e Fusão: Resultados Clínicos e radiológicos. Spine (Phila Pa 1976) 1997; 22: 2622-2624; DISCUSSÃO 2625 [PubMed]

113. Mutoh N, Shinomiya K, Furuya K, Yamaura I, Satoh H. pseudoartrose ea União Apos uma Fusão cervical anterior atrasado. Int Orthop. 1993; 17: 286-289. [PubMed]

114. Silcox DH. Fusões cavilha óssea laparoscópicos da Coluna lombar. Orthop Clin North Am. 1998; 29: 655-663. [PubMed]

117. Etebar S, Cahill DW. Fatores de risco parágrafo falha adjacente Segmentos Fixação seguintes lombar com um Instrumentação rígida Para uma instabilidade degenerativas. J Neurosurg. 1999; 90: 163-169. [PubMed]

118. Schlegel JD, Smith JA, Schleusener RL. Movimento lombar patologia segmento adjacente Ao toraco-lombar, lombar e Fusões lombossacrais. Spine (Phila Pa 1976) 1996; 21: 970-981. [PubMed]

119. Lee CK, Langrana NA. Fusão espinal lombossacral. Um Estudo biomecânico. Spine (Phila Pa 1976) 1984; 9: 574-581. [PubMed]

120. Yang SW, Langrana NA, Lee CK. Biomecânica da Fusão espinal lombossacral em cargas de compressão-torção combinadas. Spine (Phila Pa 1976) 1986; 11: 937-941. [PubMed]

Artigos de World Journal of Radiology São fornecidas here cortesia de Baishideng Publishing Group Inc

mensagens Relacionados

  • Diferença Entre Saliencia fazer disco e protrusão de disco

    discotecas da Coluna vertebral desempenham hum papel fundamental na parte das costas inferiores, that servir Como Amortecedores between como vértebras, suportando a parte superior, do Corpo, e permitir that Uma Ampla gama de Movimento em TODAS como direcções. Se um …

  • Diferença Entre Saliencia fazer disco e protrusão de disco

    Um grande Número de patients that were diagnosticados com Uma posterior. OU UM hérnia de disco anterior. Realmente NÃO entendo O Que ISSO Significa diagnóstico e Quais São como implicações reais. ELES ficam …

  • Definição concêntrico disco bojo … 2

    Material de fibrocartilaginosa disco between como vértebras da Coluna vertebral, Que fornece hum Suporte de ALMOFADA-like contra o disco de choque 1. A, placa plana Rodada; QUALQUÉR Estrutura circular Approximatif plana. 2 ….

  • Saliencia fazer disco concêntrico

    O Que É UM P.I.V.D UO disco prolapso? O termo PIVD / disco intervertebral prolapso Significa uma protrusão OU Extrusão do núcleo pulposo atraves de Uma para Alugar nenhum anel fibroso. Tem um …

  • Saliencia fazer disco generalizada

    Pacientes com lombalgia com radiculopatia Constituinte hum grupo relativamente Menos diversificada em TERMOS de etiologia e Os síntomas geralmente sugerem compressão da raiz nervosa. Vários Autores 4-6 sugerem …

  • Saliencia fazer disco concêntrico

    INTERVERTEBRAL DISC DOENÇA (IVDD) Isto É comumente visto Como Uma Apresentação aguda em Raças chondrodystrophic seguindo o Movimento do núcleo mineralizada atraves de hum rasgo na dorsal …