Complexas massas císticas do peito de diagnóstico …

Complexas massas císticas do peito de diagnóstico …

Complexas massas císticas do peito de diagnóstico ...

lesões mamárias císticas São comumente observados na ultra-sonografia (US), Realizado parágrafo a Avaliação de nódulos mamários palpáveis ​​UO mammographically detectados. cistos Complexos Contém cística e Componentes Sólidos e estao Associados com Uma Variedade de Diagnósticos patológicos benignos, atípicos, e malignas. massas mamárias císticas Complexas TEM Uma Chance Ser maligna substancial de; malignidade foi relatada em 23% (1) e 31% (2) DE CASOS EM DUAS série. Por Esse Motivo, uma biópsia percutánea OU Cirúrgica E geralmente indicada. Técnicas that PODEM Ser utilizadas Para a Amostragem de Complexos massas mamárias císticas incluem Aspiração com agulha fina, biopsia por agulha (com hum Dispositivo automático de mola OU Assistida a Vácuo) e excisão Cirúrgica. This article reve uma Avaliação por Imagem dos Complexos massas císticas da mama, Varias Abordagens parágrafo biópsia percutánea e Diagnósticos patológicos Comuns.

MUITOS patients com massas císticas Complexas were submetidos a mamografia RECENTE, O Que PODE Ajudar a caracterizar a massa, microcalcificações retratam Associadas (Fig 1), e Mostrar lesões suspeitas Adicionais (3). Se Uma lesão Aparece contendo Gordura, em mamografia, that representação Uma Entidade benigna, tal Como hum óleo OU cisto galactocele, e biopsia PODE Ser evitado. Para lesões Que São provadas maligno na biópsia, a mamografia PODE fornecer INFORMAÇÕES IMPORTANTES Sobre a Extensão da Doença e, portanto, PODE Influenciar a Gestão Cirúrgica subsequente.

Na EU, quistos mamários São categorizados Como simples, Complexa, OU Complexo (1, 4, 5). categorização adequada E Importante Porque a Gestão de Cada tipo diferente. quistos simples São definidos Como anecóica, Bem circunscrito, redonda OU ovoïde massas com Uma Parede imperceptível e Aumentada POR meio-Transmissão de ondas sonoras. QUANDO de Todos os criterios de quistos mamários simples estao PRESENTES, ELAS São consideradas benignas e NÃO requerem uma Intervenção. cistos dolorosos PODE Ser aspirado Para Alívio dos síntomas.

cistos complicados Contém ecos Internos de Baixo Nível OU detritos intracístico that PODEM Camada e se mudar com a Mudanças NA posição do Paciente. Os ecos Internos homogéneas não Alguns cistos complicados PODEM Produzir Uma aparencia identica à de Uma massa Sólida circunscrito. cistos complicados NÃO CONTÉM paredes grossas, septos de espessura, or Outros Componentes Sólidos de aparencia discreta. O Risco de malignidade Entre quistos mamários complicadas E inferior a 2%; cessos cistos geralmente PODEM Ser gerenciados com Imagens OU Aspiração Curto Intervalo de Acompanhamento. No entanto, se hum cisto complicado E sintomático, novo, OU AMPLIAÇÃO, Aspiração com agulha E Indicado (1, 5, 6).

cistos mamários Complexos São definidos Como cistos com paredes grossas, septos de espessura, massas intracísticas, or Outros Componentes Sólidos discretos (4). Usando criterios adaptados de Berg et al (1), Podemos classificar Complexos massas mamárias císticas aulas em Quatro, base com em SUAS Características norte-americanas: Tipo 1 massas TEM Uma Parede grossa exterior, septos de espessura, OU Ambos; tipo 2 massas Conter Uma UO Mais massas intracísticas; Tipo 3 massas Contém Misturado cística e Componentes Sólidos e São cabelo Menos de 50% cística; e Tipo 4 massas São predominantemente (Pelo Menos 50%) de Sólido com focos cística excêntrico.

Abordagem parágrafo biopsia

Tomada de decisão Sobre a Melhor Abordagem um Ser USADO parágrafo biópsia percutánea de Uma massa cística Complexa ENVOLVE o Equilíbrio Entre a necessidade de Obter material de Suficiente parágrafo hum diagnóstico Preciso com a necessidade de Minimizar a Invasão do Procedimento. A biópsia percutánea de massas císticas Complexos PODEM apresentar hum desafio, comparado com biópsia de Outros Tipos de lesões da mama, Por Causa da Presença de Um Componente Que É normalmente cística interrompido Durante o Procedimento de biopsia. Em Alguns Casos, a descompressão do Componente cística PODE tornar Mais Difícil detectar um Componente Sólido Remanescente em US e, Por conseguinte, Mais Difícil de atingir e PROVAR. Como Técnicas utilizadas Pará uma biópsia de Complexos massas mamárias císticas incluem Aspiração com agulha fina, biopsia por agulha e biópsia Cirúrgica.

Evitando intervenções desnecessárias

A história do Paciente e Avaliação aprofundada mamográfico PODE Evitar Intervenção. Por Exemplo, um hematoma com Uma aparencia cística Complexo PODE Formar logotipo apos uma biópsia com agulha, biópsia Cirúrgica, or trauma. QUANDO UM hematoma E Suspeita, um Exame US de Acompanhamento (geralmente em 2-3 meses) E Recomendado parágrafo reavaliar a constatação e Verificação de Regressão. Como áreas de necrose de Gordura devido à Cirurgia trauma UO, Bem Como galactoceles, TAMBÉM PODEM aparecer císticas Como Complexos (Figura 2). ASSIM, um Ser biópsia PODE evitado qualquer clínico contexto Adequado UO se uma massa TEM Uma aparencia mamográfica caracteristicamente benigna.

QUANDO Uma massa cística Complexa E palpável, biópsia percutánea com a Orientação dos EUA E preferível a Orientação com APENAS palpação. Como Armadilhas potenciais de Aspiração OU biópsia realizada APENAS com a palpação de Orientação incluem (UMA) dificuldade em atingir com Precisão o Componente Sólido, (B) Aspiração de Líquidos OU vazamento extraluminal rendem Uma massa impalpável Durante uma biópsia e Fazer biópsia posterior passa Menos precisos, e (C) Resolução de palpability em Conjunto com ACHADOS benignos não Exame citológico e Análise histológica, that PODEM Ser falsamente tranquilizadora e atrasar o diagnóstico de lesão maligna Uma potencial.

aspirativa POR agulha fina realizada PODE ser, inicialmente, se a Presença de Uma Verdadeira Componente Sólido Dentro de Uma massa cística Complexo ESTÁ Em Questão, base com em Conclusões dos EUA; ELE PODE NÃO Ser claro se a ecogenicidade intracístico representação detritos, pus OU UM coágulo Dentro de hum cisto complicado, OU Uma massa Dentro de hum cisto Complexo. A Avaliação da Mobilidade e Fluxo E UMA Estratégia Útil Para distinguir Entre hum quisto Complexo e hum quisto complicado. Se o Componente ecogénico E Móvel com Uma Mudança de posição, that representação detritos, pus OU UM coágulo (Figura 3). Se o Componente ecogénico E Imóvel, PODE representar Uma Verdadeira massa intracístico aderente OU detritos parágrafo A Parede do cisto. A Demonstração de Fluxo Dentro de Uma Região Sólida-aparecendo em imagiologia Doppler E indicativo de Uma Verdadeira massa intracístico (Figuras 4. 5). Se Nenhum Fluxo E visto, E Impossível diferenciar Uma massa contendo detritos de Uma massa hipovascular.

QUANDO Uma massa cística Complexa E aspirado e aspirado Aparece purulenta, E submetido à Análise microbiológica e antibiograma. Um aspirado Sangrenta E apresentado parágrafo citológico Exame. Um clipe de e colocada internamente no da Aspiração locais fazem aspirado, se por submetido a Exame citológico e NÃO Existe massa OU residual Outro marco de Imagem adjacente (7). Se Uma massa determinação Apos uma Aspiração Que Produz fluido sem sangue e NÃO purulenta, o aspirado E descartado (8).

Se hum cisto Complexo Contém hum Verdadeiro Componente Sólido, uma biópsia E Indicado para diagnóstico histológico. QUANDO aspirativa POR agulha fina E realizada e Uma massa Sólida permanece Visível em US, biopsia por agulha da lesão Sólido residual PODE Ser realizada imediatamente apos o Procedimento de Aspiração (figuras 6. 7). Reliance Unicamente em Achados citológicos benignos não aspirado POR agulha fina NÃO E aconselhável, Porque a massa residual PODE representar hum tumor maligno, MESMO se o material de aspirado NÃO Contém Células malignas (9, 10).

US-guiada core-agulha de biópsia

biopsia por agulha de hum cisto Complexo realizada PODE Ser sem Aspiração com agulha fina Antes se a lesão (UMA) Contém hum Componente Sólido definitiva observado em US UO o Fluxo observado em colorido Doppler, (B) demonstra Achados Associados suspeitos mamográficas (calcificações aglomeradas,-forma Suspeita Margens OU, OU distorção arquitetural), OU (C) Contém Uma Pequena Componente Sólido de aparencia Que seria Difícil OU Impossível de atingir com Uma agulha de calibre grande Apos uma Aspiração de fluido.

Em Nossa Prática, Uma biópsia de agulha E realizada QUANDO UM Componente Sólido ESTÁ Presente. Ou hum Dispositivo de mola de calibre 14 OU UM Dispositivo de Vácuo-Assistida de calibre 11 E Utilizado. Encontramos ESTA Abordagem Precisa de Uma série de 31 patients com 32 massas císticas Complexas e com 1 ano de follow-up de lesões benignas (2). A biopsia por agulha guiada POR US realizada com hum Dispositivo de mola de calibre 14 E UMA baixo custo, uma Abordagem Bem tolerado Pará uma biópsia de lesões com hum Componente Sólido that must Manter-se claramente Visível Durante Todo o Procedimento. Para biópsia de massas Que São principalmente cística e possuem APENAS UM Pequeno Componente Sólido, prefere-se utilizar hum Dispositivo assistido POR Vácuo A Mão de calibre 11 (Figura 8). Apos uma biópsia, se há Uma Preocupação de that uma massa residual PODE Ser Difícil de localizar POR excisão Cirúrgica subsequente com base de em Achados patológicos, um clipe de e implantado no da biópsia local. Dispositivos clipe de Implantação parágrafo OSU com Dispositivos de mola e biopsia por agulha Assistida uma Vácuo São amplamente available. Além Disso, Vários Tipos de Clipes São visíveis tanto no EUA e na mamografia, é Sua visibilidade PODE facilitar a Localização do fio when QUALQUÉR Modalidade E USADA parágrafo Orientação. radiografia Amostra E realizada se a lesão ESTÁ Associada com calcificações. A excisão Cirúrgica de Uma massa cística Complexa E Recomendado em vez de biopsia por agulha se a Amostragem adequada com biopsia por agulha seria tecnicamente Difícil Por Causa fazer * Tamanho UO a Localização dos Componentes Sólidos (Fig 9).

A 1a Figura. carcinoma ductal Infiltrando ductal e carcinoma in situ (DCIS) em uma mulher de 44 ano de Idade. (UMA) mamografia obliqua mediolateral Mostra Uma grande massa com calcificações lineares adjacentes (seta) na parte superior, do peito Direito. (B) Imagem dos Estados Unidos demonstra hum tipo 1 massa cística Complexa, com Uma Parede de espessura e septo de espessura. O diagnóstico foi Feito com base de nsa Resultados de Uma biópsia de agulha.

1b Figura. carcinoma ductal Infiltrando ductal e carcinoma in situ (DCIS) em uma mulher de 44 ano de Idade. (UMA) mamografia obliqua mediolateral Mostra Uma grande massa com calcificações lineares adjacentes (seta) na parte superior, do peito Direito. (B) Imagem dos Estados Unidos demonstra hum tipo 1 massa cística Complexa, com Uma Parede de espessura e septo de espessura. O diagnóstico foi Feito com base de nsa Resultados de Uma biópsia de agulha.

Figura 2a. cisto de óleo Apos uma mamoplastia redutora em uma mulher de 23 ano de Idade com Uma massa palpável na Região da cicatriz pós-operatória na Esquerda mama. (UMA) Imagem Doppler US Mostra Uma massa cística Complexa tipo 3, sem a Fluxo interno. (B) Tangencial mamografia AMPLIAÇÃO local, obtido apos a colocação de hum marcador externo, Uma Mostra massa de Gordura Densidade Bem circunscrita (setas) com Uma aparencia Característica benigna. A biópsia NÃO foi Indicado.

2b Figura. cisto de óleo Apos uma mamoplastia redutora em uma mulher de 23 ano de Idade com Uma massa palpável na Região da cicatriz pós-operatória na Esquerda mama. (UMA) Imagem Doppler US Mostra Uma massa cística Complexa tipo 3, sem a Fluxo interno. (B) Tangencial mamografia AMPLIAÇÃO local, obtido apos a colocação de hum marcador externo, Uma Mostra massa de Gordura Densidade Bem circunscrita (setas) com Uma aparencia Característica benigna. A biópsia NÃO foi Indicado.

Figura 3a. cisto complicada em uma mulher de 46 ano de Idade. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra ecos intracísticas Dependentes. (B) Imagem dos Estados Unidos A Partir de hum Exame de repetição com o Paciente em decúbito Esquerdo Mostra a Mobilidade fazer intracístico material. O cisto Completamente resolvida Apos uma Aspiração com agulha fina, Que produziu o material de sem sangue e biopsia por agulha NÃO foi Indicado.

3b Figura. cisto complicada em uma mulher de 46 ano de Idade. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra ecos intracísticas Dependentes. (B) Imagem dos Estados Unidos A Partir de hum Exame de repetição com o Paciente em decúbito Esquerdo Mostra a Mobilidade fazer intracístico material. O cisto Completamente resolvida Apos uma Aspiração com agulha fina, Que produziu o material de sem sangue e biopsia por agulha NÃO foi Indicado.

Figura 4. hiperplasia apócrinas papilar com hiperplasia ductal Atípica. Imagem Doppler US Mostra hum tipo 2 massa cística Complexo com a Fluxo Dentro do Componente Sólido (seta). A massa foi diagnosticado em biopsia por agulha, EO diagnóstico foi Confirmado na excisão Cirúrgica.

Figura 5. Papiloma em uma mulher de 71 ano de Idade. Imagem Power Doppler US Mostra hum tipo 2 massa cística Complexo com a Fluxo Dentro dos Componentes Sólidos. A massa foi diagnosticado em biopsia por agulha.

Figura 7a. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

7b Figura. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

7c Figura. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

7d Figura. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

7e Figura. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

Figura 7F. Infiltrando carcinoma ductal em uma mulher de 33 ano de Idade, com Uma massa de mama palpável. (UMA) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexo de paredes Espessas (setas). (B) Imagem dos Estados Unidos Mostra uma massa Durante uma Aspiração com agulha fina, that rendeu Líquido sanguinolento. A massa NÃO resolveu Completamente. (C, d) Imagens dos EUA obtido Durante a por agulha biópsia, pingos de (C) e Depois (D) disparo de hum Dispositivo automático de calibre 14, mostram Amostragem da Pequena Componente Sólido residual. (E, F) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 100 em e. × 400 em f ; hematoxilina-eosina [H-E] mancha) de Uma Amostra obtida uma biopsia por agulha Revelar grau 3 infiltrando carcinoma ductal.

8a Figura. intracístico papiloma. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Imagem US obtida Durante Uma biópsia Vácuo-Assistida Mostra Uma sonda agulha de calibre 11 (setas) posicionado profundo Para a massa. O diagnóstico foi estabelecido em biópsia Vácuo-Assistida.

8b Figura. intracístico papiloma. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Imagem US obtida Durante Uma biópsia Vácuo-Assistida Mostra Uma sonda agulha de calibre 11 (setas) posicionado profundo Para a massa. O diagnóstico foi estabelecido em biópsia Vácuo-Assistida.

Figura 9. papiloma intracístico em uma mulher de 45 ano de Idade. Imagem dos Estados Unidos Mostra hum tipo 2 massa cística Complexa Que Contém hum Pequeno papiloma intracístico suspensa em Uma haste. A massa foi Retirado cirurgicamente. Se Uma biópsia percutánea tinha SIDO realizada, uma parte Sólida da massa PODE ter SIDO OU Difícil Impossível de atingir parágrafo biópsia Apos uma parte Cheia de Líquido foi drenado.

Figura 10a. alterações fibrocísticas em uma mulher de 45 ano de Idade com Uma massa NÃO palpáveis ​​mal representado na mamografia. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra hum tipo 1 massa cística Complexo com septos de espessura. (B, C) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 40; H-E mancha) de espécimes de core-agulha de biópsia Mostra apócrinas metaplasia (B) e metaplasia apocrine com Formação de cistos (C) .

10b Figura. alterações fibrocísticas em uma mulher de 45 ano de Idade com Uma massa NÃO palpáveis ​​mal representado na mamografia. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra hum tipo 1 massa cística Complexo com septos de espessura. (B, C) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 40; H-E mancha) de espécimes de core-agulha de biópsia Mostra apócrinas metaplasia (B) e metaplasia apocrine com Formação de cistos (C) .

10c Figura. alterações fibrocísticas em uma mulher de 45 ano de Idade com Uma massa NÃO palpáveis ​​mal representado na mamografia. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra hum tipo 1 massa cística Complexo com septos de espessura. (B, C) Fotomicrografias (AMPLIAÇÃO original, × 40; H-E mancha) de espécimes de core-agulha de biópsia Mostra apócrinas metaplasia (B) e metaplasia apocrine com Formação de cistos (C) .

Figura 11a. Papiloma sem atipia em uma mulher de 62 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Uma Mostra massa Bem circunscrita (seta) na parte medial da mama. (B) Imagem Doppler US demonstra Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Um espécime de Uma biópsia de agulha Mostra papiloma intraductal sem atipia, com metaplasia apócrina e microcalcificações.

11b Figura. Papiloma sem atipia em uma mulher de 62 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Uma Mostra massa Bem circunscrita (seta) na parte medial da mama. (B) Imagem Doppler US demonstra Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Um espécime de Uma biópsia de agulha Mostra papiloma intraductal sem atipia, com metaplasia apócrina e microcalcificações.

11c Figura. Papiloma sem atipia em uma mulher de 62 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Uma Mostra massa Bem circunscrita (seta) na parte medial da mama. (B) Imagem Doppler US demonstra Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Um espécime de Uma biópsia de agulha Mostra papiloma intraductal sem atipia, com metaplasia apócrina e microcalcificações.

Figura 12a. O carcinoma lobular in situ Associado a Vários papilomas em uma mulher de 45 ano de Idade com ACHADOS mamográficos de Uma Massa e calcificações. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Radiografia de UMA Amostra obtida uma biopsia por Agulha com hum Dispositivo de Vácuo-Assistida de calibre 11 calcificações Mostra. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha demonstra hum papiloma infartado com calcificações. (D) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40 [Fundo], × 400 [inserir]; mancha de H-E) da Amostra subsequentes biópsia excisional Mostra carcinoma lobular in situ incidental.

12b Figura. O carcinoma lobular in situ Associado a Vários papilomas em uma mulher de 45 ano de Idade com ACHADOS mamográficos de Uma Massa e calcificações. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Radiografia de UMA Amostra obtida uma biopsia por Agulha com hum Dispositivo de Vácuo-Assistida de calibre 11 calcificações Mostra. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha demonstra hum papiloma infartado com calcificações. (D) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40 [Fundo], × 400 [inserir]; mancha de H-E) da Amostra subsequentes biópsia excisional Mostra carcinoma lobular in situ incidental.

12c Figura. O carcinoma lobular in situ Associado a Vários papilomas em uma mulher de 45 ano de Idade com ACHADOS mamográficos de Uma Massa e calcificações. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Radiografia de UMA Amostra obtida uma biopsia por Agulha com hum Dispositivo de Vácuo-Assistida de calibre 11 calcificações Mostra. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha demonstra hum papiloma infartado com calcificações. (D) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40 [Fundo], × 400 [inserir]; mancha de H-E) da Amostra subsequentes biópsia excisional Mostra carcinoma lobular in situ incidental.

12d Figura. O carcinoma lobular in situ Associado a Vários papilomas em uma mulher de 45 ano de Idade com ACHADOS mamográficos de Uma Massa e calcificações. (UMA) Imagem dos Estados Unidos Mostra Uma massa cística Complexa tipo 2. (B) Radiografia de UMA Amostra obtida uma biopsia por Agulha com hum Dispositivo de Vácuo-Assistida de calibre 11 calcificações Mostra. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha demonstra hum papiloma infartado com calcificações. (D) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40 [Fundo], × 400 [inserir]; mancha de H-E) da Amostra subsequentes biópsia excisional Mostra carcinoma lobular in situ incidental.

Figura 13a. Fibroadenoma em uma mulher de 48 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Mostra Uma oval massa (seta) na parte lateral, do peito. (B) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexa tipo 1. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela fibroadenoma.

13b Figura. Fibroadenoma em uma mulher de 48 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Mostra Uma oval massa (seta) na parte lateral, do peito. (B) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexa tipo 1. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela fibroadenoma.

13c Figura. Fibroadenoma em uma mulher de 48 ano de Idade. (UMA) mamograma crânio-caudal Mostra Uma oval massa (seta) na parte lateral, do peito. (B) Imagem dos Estados Unidos demonstra Uma massa cística Complexa tipo 1. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 40; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela fibroadenoma.

Figura 14a. DCIS em uma mulher de 64 ano de Idade. (UMA) Mamografia Mostra Uma massa that oval corresponde um palpável Uma anomalia. (B) Imagem dos Estados Unidos descreve Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela Baixo grau cribriform DCIS.

14b Figura. DCIS em uma mulher de 64 ano de Idade. (UMA) Mamografia Mostra Uma massa that oval corresponde um palpável Uma anomalia. (B) Imagem dos Estados Unidos descreve Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela Baixo grau cribriform DCIS.

14c Figura. DCIS em uma mulher de 64 ano de Idade. (UMA) Mamografia Mostra Uma massa that oval corresponde um palpável Uma anomalia. (B) Imagem dos Estados Unidos descreve Uma massa cística Complexa tipo 3. (C) Fotomicrografia (AMPLIAÇÃO original, × 100; mancha de H-E) de Uma Amostra de biopsia por agulha Revela Baixo grau cribriform DCIS.

Berg WA. Campassi CI, Ioffe OB. Como lesões císticas da mama: Correlação ultra-sonográfico-patológica. Radiologia 2003; 227 (1): 183 -191. Ligação

Doshi DJ. Marco de, Coughlin BF, Crisi GM. Precisão da biópsia guiada percutánea POR ultra-som de Complexos massas mamárias císticas [abstr]. Em: Sociedade Radiológica da América do Norte Montagem Científica e Programa da Reunião anual. Oak Brook, Illinois: Sociedade Radiológica da América do Norte, de 2006; 655.

American College of Radiology. Diretrizes Para a Prática do ACR PARA O Desempenho de mamografia diagnóstica. In: Diretrizes do ACR e Normas Técnicas. Reston, VA: American College of Radiology de 2006.

American College of Radiology. ACR BI-RADS-ultra-som. In: ACR Breast Imaging Relatórios e Sistema de Dados, atlas de Imagem da Mama. Reston, VA: American College of Radiology de 2003.

Mendelson EB. Berg WA, Merritt CR. Em Direção a hum léxico ultra-som padronizado de mama, BI-RADS: ultra-som. Semin Roentgenol 2001; 36 (3): 217 -225. CrossRef. Medline

Venta LA. Kim JP, Pelloski CE, Morrow M. Gestão de cistos mamários Complexos. AJR Am J Roentgenol 1999; 173 (5): 1331 -1336. CrossRef. Medline

Berg WA. biópsia da mama guiada por Imagem e Tratamento de lesões de alto Risco. Radiol Clin North Am 2004; 42 (5): 935 -946. CrossRef. Medline

Smith DN. Kaelin CM, Korbin CD, Ko W, Meyer JE, Carter GR. cistos mamários impalpáveis: Utilidade do Exame citológico fazer Líquido obtido com radiologicamente guiado Aspiração. Radiologia 1997; 204 (1): 149 -151. Ligação

Pisano ED. Fajardo LL, Caudry DJ, et al. aspirativa POR agulha fina de lesões mamárias NÃO palpáveis ​​num Ensaio Clínico Multicêntrico: resultado da radiológico diagnóstico Oncology Group V. Radiologia 2001; 219 (3): 785 -792. Ligação

Giard RW. Hermans J. O valor do Exame citológico Aspiração da mama: Uma Revisão Estatística da literatura médica. Câncer 1992; 69 (8): 2104 -2110. CrossRef. Medline

Dupont WD. Página DL. Fatores de risco parágrafo Cancro de Mama em Mulheres com Doença proliferativa da mama. N Engl J Med 1985; 312 (3): 146 -151. CrossRef. Medline

Fitzgibbons PL. Henson DE, Hutter RV. alterações benignas da mama e o Risco de Cancro de Mama posterior: Uma Actualização da Declaração de Consenso de 1985. Arch Pathol Lab Med 1998; 122 (12): 1053 -1055. Medline

Shaaban AM. JP Sloane, West CR, et ai. Tipos histopatológicos de lesões mamárias benignas e o Risco de Cancro de Mama: Estudo Caso-Controle. Am J Surg Pathol 2002; 26 (4): 421 -430. CrossRef. Medline

Página DL. Salhany KE, Jensen RA, Dupont WD. Risco de carcinoma de mama subsequente Apos uma biópsia com atipia em hum papiloma de mama. Câncer 1996; 78 (2): 258 -266. CrossRef. Medline

Sonnenfeld MR. Frenna TH, Weidner N, Meyer JE. O lobular carcinoma in situ: mamográfica-patológica Correlação dos Resultados de biópsia Dirigida-agulha. Radiologia 1991; 181 (2): 363 -367. Ligação

Crisi GM. Manavilli S, Cronin E, Ricci Um Jr. carcinoma de mama invasivo APOS imediatas e de Curto Prazo acompanhamento Para uma lobular neoplasia na biópsia do núcleo. Am J Surg Pathol 2003; 27 (3): 325 -333. CrossRef. Medline

Rosen PP. carcinoma lobular invasivo. Em: Rosen PP. patologia mamaria de Rosen. 2nd ed. Filadélfia, Pa: Lippincott Williams & Wilkins, 2001; 627-652.

Jacobs TW. Connolly JL, Schnitt SJ. lesões NÃO malignas em biópsias POR agulha de núcleo de mama: a Impostos Especiais de consumo OU NÃO parágrafo excisar? Am J Surg Pathol 2002; 26 (9): 1095 -1110. CrossRef. Medline

Reynolds HE. biopsia por agulha de lesões mamárias desafiadoras: Uma Revisão abrangente da literatura. AJR Am J Roentgenol 2000; 174 (5): 1245 -1250. CrossRef. Medline

mensagens Relacionados

  • ares císticas Complexas com espessura …

    Eu Tenho 41 ano e Estou Tentando Descobrir se ter hum cisto de paredes Espessas Torna Mais provável de Ser cancerígeno? Meu 6 Semanas de Acompanhamento e agendamento ESTÁ em 5 dias e Estou Quase PRONTO PARA saltar parágrafo fóruns da Minha Pele ….

  • linfáticos Alargada fazer Pescoço NÓS de Causas

    Normais linfonodos Normais linfonodos mesentéricos PODE ágora Ser rotineiramente identificados na raiz e mesentérico Ao Longo do mesentério (Fig 1). Como Razões Pará ISSO incluem o USO generalizado de …

  • Causas do Cancro da Mama – Nacionais …

    Fatores de risco conhecidos Mulheres com certos Fatores de risco São Mais propensos fazer that Outros Para desenvolver Cancro da mama. Um Fator de Risco E algo that PODE Aumentar a possibilidade de contrair Uma Doença. Algum Risco …

  • Chlamydia, Laboratório de diagnóstico Testing …

    Um causada Por uma Chlamydia PODE Ser conjuntivite Doença aguda OU chronic. Chlamydia trachomatis e Um parasita intracelular that PODE Ser diagnosticada há Laboratório COM 1) esfregaços (Giemsa, …

  • Causas de carcinoma adenoide cístico, síntomas OS do Câncer adenoide.

    Causas de carcinoma adenoide cístico A causa Exata fazer carcinoma adenoide cístico NÃO E conhecido. Cancro ESTÁ Associada com Defeitos de cromossomas Que levam a Crescimento descontrolado de certos Tipos de Células ….

  • Cisto Complexo borda, cisto no rim.

    Os rins São parte do Sistema urinário e Cuidar de Filtrar como impurezas tóxicas do sangue. Como como PESSOAS crescia, as chances há de Formação de cistos Nos rins. ESSES cistos São TAMBÉM …